sábado, 27 de novembro de 2010

Uma breve memória.

Acredito que o maior dom do escritor é a habilidade de contar as memórias dos outros, como se fossem suas. Ainda assim, confiar em algo tão vago quanto a memória alheia é perigoso. Nunca se esta livre da influência de quem carrega as palavras.
Assim sendo, tentarei não ser eu nesse relato que faço.
Sobre eles, havia o céu estrelado, uma noite fria e um sorriso. Sentou, se apresentou e como se estivesse tudo bem falou sobre as estrelas. Apontou e listou cada uma delas, sem ao menos ela pedir.
Entrou na vida dela assim, sem pedir licença, apagando o último resquício de juízo que havia ali. E então os olhares viraram gestos, os gestos, ações concluídas. Ansiedade, medo, vontade e toda noção de certo ou errado, conturbada e distorcida.
Ainda hoje, ela consegue se lembrar do calor do corpo, do travesseiro, do brinco na orelha esquerda, das mãos, das bobagens e do sorriso. Aquele sorriso que desarmou toda a proteção que havia construído durante meses. Era tudo mágico. Era tudo errado.
E assim foi. Durante seis dias ele a pertenceu. Inteiramente, perdidamente dela. Desafiando as leis morais e quem as aplicava, eles foram felizes.
No final do sexto dia, houve a despedida, e nos dias que se passaram, a falta de tudo aquilo. Demorou um tempo para se recuperar completamente das censuras sofridas. Afinal, estava cansada de se desculpar pela sua liberdade.
Foi quando cansou de dar explicações, que subiu no tablado da vida e falou para quem quisesse ouvir:
-Sim, durante seis dias ele foi meu. E se foi errado? Eu não sei. Porque diante de todas as coisas que podemos perder nessa vida, a única que nos é essencial é a consciência de liberdade. Ela é uma pequena parte de nós, mas ainda assim nós a perdemos e vendemos por tão pouco...
E é por isso que digo, eu fui feliz. E recuso a me desculpar por isso. Porque essa é a minha pequena parcela de liberdade, e não a esconderei de ninguém.

2 comentários:

  1. Estranho... talvez, familiar.
    Porém bem escrito.

    ResponderExcluir
  2. OLA sacha é o buda como eu nao sei como o mandar msg para vc fiz um blog para mim le la e tem mais um para vc (AS GUERRAS VEM E VAO MAS AS GUEREIRAS SAO ETERNAS E VC É UMA CABEÇA EM PE VAZ BEM

    ResponderExcluir